Crítica: Pieces of a Woman é o primeiro grande filme da Netflix em 2021

Pieces of a Woman

2021 promete grandes filmes para a Netflix. De filmes de ação com The Rock até dramas premiáveis com Leonardo DiCaprio, a plataforma de streaming promete um novo lançamento por semana. Poucos, entretanto, devem ser tão bons quanto Pieces of a Woman, poderoso drama estrelado por Vanessa Kirby. Logo, o filme, que tem chances de levar algumas indicações ao Oscar, é daqueles que ficam na memória por um bom tempo, goste ou não do resultado final.

Na trama, Kirby e Shia LaBeouf formam um jovem casal que aguardam ansiosos a chegada de seu primeiro bebê. Às vésperas do nascimento,  portanto, o casal acerta os últimos detalhes até que o grande dia chega e nem tudo sai como o esperado. O parto, que será em casa, porém, sofre o primeiro revés: a parteira que acompanhou a gestação está ocupada trazendo outra criança ao mundo. Uma substituta é acionada e chega à residência. O resultado, porém, desestrutura a família e estilhaça os sonhos.

Os primeiros trinta minutos são alguns dos melhores desta temporada de prêmios

Dirigido por  Kornel Mundruczó, Pieces of a Woman começa com um longo plano-sequência de tirar o fôlego. Filmando o parto sem cortes, o cineasta craveja um ar de urgência necessário ao momento. Sua câmera passeia pelos cômodo enquanto capta os mais ordinário detalhes do acontecimento. E é já neste momentos que temos noção da força das atuações do elenco, com destaque indiscutível para Kirby, conhecida na TV por interpretar a irmã da rainha em The Crown

Muitos críticos apontam que o longa perde quase que totalmente a sua força depois dos sufocantes minutos iniciais. Embora o plano-sequência realmente seja o ponto alto do projeto, tanto do ponto de vista técnico quanto dramático, tudo o que se segue não deixa a desejar. Basta olhar o monólogo de Ellen Burstyn para saber que Pieces of a Woman tem muita coisa impressionante para mostrar além do excruciante parto inicial.

Pieces of a Woman pode – e merece – levar algumas indicações ao Oscar

Nesta perspectiva, o filme merece sem discussões as nomeações a Melhor Atriz, para Vanessa, e Atriz Coadjuvante, para Ellen. Além destas, seriam muito bem-vindas as indicações a Melhor Filme, Direção, Roteiro Original e Edição. A fita, entretanto, deve encontrar resistência de muitos votantes. A presença de Shia LaBeouf, afinal, tem efeito repelente (principalmente depois das novas acusações de abuso relacionadas ao ator). Ainda assim, Pieces of a Woman é um dos maiores destaques de uma temporada atípica e sem grandes favoritos.

Desta forma, vale ressaltar a presença marcante de Burstyn (talvez a melhor coadjuvante feminina do ano) e a inteligência e sensibilidade do roteiro, que jamais cai no sensacionalismo do tema. Excetuando-se a abordagem final relacionada às maçãs, que fica um tanto repetitiva, o texto é firme e desenvolve seus personagens com cuidado e criatividade. Kirby, por exemplo, jamais se entrega às abordagens típicas do luto, revelando interessantes reações ao drama que vive.

Bem dirigido e com atuações irretocáveis, Pieces of a Woman é daqueles raros filmes que saem no ano e merecem muito mais atenção do que recebem. Assim, enquanto a Netflix põe todas as fichas em indicações para Manko longa de Mundruczó é, ao lado de Destacamento Bloodo melhor filme da plataforma nesta temporada.

Nota

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *