Filmes ruins que amamos: Premonição, Jumanji e mais!

Os filmes ruins têm tanto ou mais para nos ensinar do que os bons. Mesmo que sejam dicas sobre o que não fazer, os filmes ruins às vezes ganham o nosso coração.

E vale apontar: a classificação de um filme em bom ou ruim é muito relativa. O Iluminado, de Stanley Kubrick, por exemplo, foi rejeitado pela crítica, chegando a ser nomeado a várias categorias do Framboesa de Ouro, premiação destinada aos piores filmes de cada ano. Hoje, o terror de Kubrick é um clássico, tido como um dos melhores títulos do gênero.

Muitos dos filmes listados aqui acabaram adquirindo respeito com o tempo, ganhando novos olhares, enquanto outros eram considerados ruins e seguem ruins até hoje. Sua reação para alguns filmes será “como esse filme é considerado ruim?”, outros “como alguém gosta dessa bomba?”.

Bora fazer uma maratona de filmes ruins?

Premonição (35% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

Apesar de ser comandado pelos responsáveis por Arquivo X e ter uma premissa promissora, péssimas atuações e uma execução vergonhosa impedem que Premonição decole.

O que nós dizemos:

Premonição e suas continuações já entraram para o imaginário dos jovens dos anos 2000. Os acidentes são inventivos e bem feito, o roteiro é simples e envolvente. Não lembramos o nome de nenhum personagem, mas o que importa é a vingança da Morte, e esta é divertidíssima.

O Mensageiro (8% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

Um erro de cálculo absurdo por parte do diretor e protagonista Kevin Costner, O Mensageiro seria um divertimento vagabundo caso não fosse mortalmente sem graça.

O que nós dizemos:

Um épico que envolve do início ao fim. E olha que são três horas de duração. Costner manda muito bem na direção e segura a barra como ator principal. Will Patton é um ótimo vilão e a ambientação é show de bola: dos figurinos à direção de arte, trata-se de um filme bonito e com boa história.

Pearl Harbor (e basicamente toda a filmografia do Michael Bay) (24% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

Pearl Harbor tenta ser o Titanic dos filmes de guerra, mas é apenas um romance tedioso repleto de diálogos ridículos. A sequência de ação de 40 minutos, porém, é espetacular.

O que nós dizemos:

Michael Bay é subestimado. Sua cabeça provavelmente é vazia, mas o sujeito tem um talento inquestionável para ação. Bay sabe o que fica cool na câmera, e filma exatamente aquilo que vai render um ótimo quadro ou uma bela sequência. O resultado é um filme besta, mas bonito e divertido.

A Vila (e basicamente toda a filmografia do M. Night Shyamalan) (43% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

A Vila é apropriadamente creepy, mas a assinatura de Shyamalan, o final surpreendente, desaponta.

O que nós dizemos:

Shyamalan é um diretor e roteirista de mão cheia, mas a indústria começou a dar-lhe as costas depois que seus filmes não repetiram o sucesso de O Sexto Sentido. A Vila, assim como A Dama na Água, é uma fita subestimada, cheia de ideias e bons visuais. A grande revelação poderia ser colocado em outro momento da narrativa, mas, no geral, A Vila é ótima pedida.

A Torre Negra (16% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

Vá, há outras adaptações de Stephen King além desta.

O que nós dizemos:

Fique, pois esta adaptação vale a pena. Idris Elba é um Roland perfeito e Matthew McConaughey é ideal na pele do Homem de Preto. Como adaptação, A Torre Negra é pouco fiel, mas como filme de ação, rápido e eficiente. É uma aventura divertida que conta uma história ligeira sem enrolações.

Tropas Estelares (65% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

Um filme divertido, se você aceitar a violência gore e as atuações sofríveis.

O que nós dizemos:

Paul Verhoeven está frequentemente à frente de seu tempo. Tropas Estelares foi um filme mal compreendido na época de seu lançamento, mas ressoa nos dias de hoje. As duras críticas ao fascismo e à cultura armamentista não foram totalmente captadas antes, mas fazem do longa um produto muito mais curioso, inteligente e divertido hoje em dia.

Jumanji (55% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

Um deleite para os olhos com uma trama fraquinha. Jumanji  é uma aventura abaixo da média que entregar uma quantidade decente de diversão.

O que nós dizemos:

Dá pra acreditar que Jumanji tem apenas 55% de aprovação da crítica? Clássico da Sessão da Tarde, Jumanji é diversão pura, sendo um dos filmes mais bacana de Robin Williams. Criativo, divertido, bem feito e totalmente feel good. As continuações com The Rock não atingem os calcanhares desta imperdível aventura noventista.

Sucker Punch (22% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

É tecnicamente impressionante e lotado de imagens que enchem os olhos, mas sem personagens ou narrativa para carregar toda a beleza, todo o visual serve para nada.

O que nós dizemos:

Primeiro filme original de Zack Snyder, Sucker Punch é criativo, empolgante e reúne vários ingredientes que fazem da cultura pop algo tão bacana. As meninas do elenco mandam muito bem e o visual é realmente de cair o queixo. Este é o tipo de filme que cresce com o tempo e deve ser lembrado por um bom tempo, mais do que outros títulos da filmografia de seu diretor.

Tron: O Legado (51% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos??

Tron: O Legado está repleto de visuais incríveis, mas são seus personagens humanos e história que se perdem pelo caminho, mesmo com uma direção de arte notável.

O que nós dizemos:

Joseph Kosinski tem apuro estético apurado e sua direção em Tron: O Legado é inspiradíssima. O protagonista não deixa uma marca muito funda, mas as sequências de ação são tão boas que podemos perdoar a falta de personagens interessantes. Nesta perspectiva, Legado é tão inovador e importante quanto o primeiro filme.

Silent Hill (31% de aprovação da crítica)

O que dizem os críticos?

Silent Hill é visualmente impressionante, mas como acontece com várias adaptações de video games, é amaldiçoado com diálogos pálidos, narrativa tola e uma duração exagerada.

O que nós dizemos:

Terror em Silent Hill é uma das melhores adaptações de jogos já feita. Criando uma história sólida e desenvolvendo seus personagens, o filme jamais deixa de homenagear o material original. No percurso, cria imagens memoráveis e uma atmosfera que nunca alivia para o espectador. Em outras palavras, é um terror que confia no seu público ao mesmo tempo que o diverte e enche seus olhos.

Nota

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *